O Globo: Novos ‘royalties’, velhos erros
Recursos do petróleo devem triplicar até 2030, mas Estado do Rio e prefeituras não estão se preparando para promover o desenvolvimento…
O Estado de S. Paulo: Sem regras, pré-campanha se transforma em vale tudo
Presidenciáveis ignoram prazo da legislação eleitoral e, sem fiscalização, viajam e participam de atos pelo País…
Folha de S. Paulo: Preso, Lula perde votos; sem ele, Marina sobe e alcança Bolsonaro
Joaquim Barbosa (PSB) tem até 10% da preferência; Ciro Gomes (PDT) também se beneficia com ausência do petista

————————————————————-

O Globo

Manchete : Novos ‘royalties’, velhos erros
Recursos do petróleo devem triplicar até 2030, mas Estado do Rio e prefeituras não estão se preparando para promover o desenvolvimento
Apesar da previsão de uma nova era de ouro do petróleo no Estado do Rio — com retomada da Bacia de Campos, aumento dos investimentos da Petrobras e maior produção no pré-sal —, o governo estadual e as prefeituras não estão se preparando para promover um ciclo de desenvolvimento. Levantamento feito pelos repórteres Bruno Rosa e Ramona Ordonez mostra que os recursos serão destinados principalmente a custeio de pessoal, saneamento de contas públicas, com pagamento de dívidas, e para cobrir déficit dos fundos de pensão de servidores.
Projeções indicam que o valor dos royalties para o estado irá dos R$ 7,1 bilhões de 2017 para R$ 19,8 bilhões em 2030; para os municípios, que receberam R$ 3,9 bilhões ano passado, a estimativa é chegar a R$ 12,5 bilhões no mesmo período. No estado, o rombo da previdência dos servidores vai absorver três anos da renda do petróleo, e a emissão de títulos no exterior de US$ 600 milhões teve como garantia receita futura da atividade. (Páginas 35 a 37)

EUA não descartam outro ataque à Síria
Analistas veem impacto militar e político limitado na ofensiva sobre o regime de Assad
Com apoio de Reino Unido e França, os EUA afirmaram, em reubnião do Conselho de Segurança da ONU, que estão prontos para atacar novamente a Síria, caso o ditador Bashar al-Assad insista no uso de armas químicas contra a população civil. O ataque cirúrgico dos aliados foi um sucesso, para o americano Donald Trump, e destrutivo para as relações internacionais, na opinião do russo Vladimir Putin.Ambos, porém, evitaram elevar o tom. Analistas dizem que é limitado o impacto da ofensiva sobre o regime sírio. (Páginas 42 a 44A)

Dorrit Harazim
Para Trump, FBI contra ele é um ataque aos EUA. (Página 20)

Guga Chacra
Perguntas sem respostas para Trump, Macron e May.
(Página 44)

Adriana Carranca
A notícia do ataque trouxe preocupação e alívio. (Página 43)

Eleitores de Bolsonaro dizem o que pensam
A verborragia de Jair Bolsonaro sobre temas polêmicos ganha eleitores e também os afasta. Com pautas que até mesmo violam princípios básicos da Constituição, os que declaram voto no deputado e os que o rejeitam explicam suas crenças. (Página 3)

Os 9 absolvidos pelo Supremo
Em sete anos, o Supremo Tribunal Federal recebeu mais de 25 mil recursos e absolveu só 9 pessoas. Casos variam de assalto a exercício ilegal da profissão. (Página 8)

Manifestações lembram Marielle
Vários eventos, incluindo uma missa, lembraram o assassinato, em 14 de março, da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. (Página 15)

Violência faz carioca adoecer
No asfalto e nas favelas, pessoas que passam por situação de violência ou a presenciam apresentam sintomas físicos e sofrimento psicológico. (Página 14)

Merval Pereira
Embate tenta alterar métodos da Lava-Jato. (Página 4)

Miriam Leitão
Sensação de justiça seletiva se agrava. (Página 32)

Elio Gaspari
O cárcere de Lula, o fim do Império e o enterro de Jango.(Página 9)

Ascânio Seleme
O paradoxo de Palocci, e as contradições do STF. (Página 12)

Lauro Jardim
Aécio teve encontro com Temer fora da agenda no Jaburu. (Página 2)

————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete : Sem regras, pré-campanha se transforma em vale tudo
Presidenciáveis ignoram prazo da legislação eleitoral e, sem fiscalização, viajam e participam de atos pelo País
A maioria dos pré-candidatos à Presidência da República tem ignorado os prazos legais determinados pela Justiça Eleitoral e colocado suas campanhas na rua sem qualquer fiscalização. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) estipula a data de 16 de agosto para o início oficial do período no qual é permitido fazer propaganda eleitoral. Esse mesmo calendário, no entanto, não prevê regras para a fase de pré-campanha, o que abre brecha para os concorrentes montarem estruturas profissionais de marketing, usarem jatinhos (ou cota parlamentar para pagar passagens) e participarem de atos pelo País sem ter de prestar contas. A seis meses da eleição – que neste ano terá 35 dias de propaganda eleitoral na TV e no rádio –, o ex-presidente Lula, condenado e preso na Lava Jato, e o deputado Jair Bolsonaro (PSL) foram os que mais tiveram contato com eleitores em eventos públicos. (POLÍTICA / PÁG. A4)

Lula já sente o isolamento
O ex-presidente Lula não reclama das condições da cela, mas do isolamento total a que foi submetido na PF em Curitiba, e considera “inaceitável” não poder receber visitas. (PÁG. A10)

‘Eleição traz risco de desmonte’
Entrevista – Henrique Meirelles
EX-MINISTRO DA FAZENDA
Para o ex-ministro Henrique Meirelles, que tenta viabilizar sua candidatura à Presidência pelo MDB, a eleição traz risco de instabilidade, e candidatos como Ciro Gomes (PDT) e Jair Bolsonaro (PSL) representam um desmonte da política de reformas do governo. (POLÍTICA / PÁG. A8)

Bolsonaro tirou sua ex da política
Por entender que a ex-mulher, a vereadora Rogéria Bolsonaro, traiu sua confiança, Jair Bolsonaro escalou Carlos, filho do casal, de 17 anos, para disputar com a mãe uma vaga à Câmara Municipal do Rio, em 2000. Levou (junto com o filho) a melhor e acabou com a carreira da ex. (POLÍTICA / PÁG. A6)

Políticos participam e blindam CBF em eleição (ESPORTES / PÁG. A22)

Refugiados cubanos chegam por Roraima (METRÓPOLE / PÁG. A17)

China imita ficção e avalia cidadão
Em dois anos, os chineses passarão a receber notas de comportamento – nas redes sociais, no trânsito, nos pagamentos, etc. O futuro Sistema de Crédito Social atribuirá benefícios ou sanções. (ECONOMIA / PÁGS. B10 E B11)

‘Missão cumprida’, diz Trump
Após o ataque que destruiu um centro de pesquisas científicas nas imediações de Damasco (foto), entre outros alvos, o presidente americano indicou que os próximos passos do conflito dependerão, agora, da Síria e da Rússia. (INTERNACIONAL / PÁG. A11)

Eliane Cantanhêde
Quem quer que seja o presidente da República a partir de janeiro de 2019, ele vai ficar ainda mais nas mãos do balcão e do Centrão. (POLÍTICA / PÁG. A6)

Vera Magalhães
Com a prisão de Lula e o desgaste que se abateu também sobre o PSDB, a polarização automática acabou. (POLÍTICA / PÁG. A8)

Notas&Informações
Competência e honestidade
Não será a Lava Jato, ou qualquer outra operação, que colocará o País nos trilhos do desenvolvimento econômico e social. Essa responsabilidade cabe ao eleitor. (PÁG. A3)

Quem pode mais?
Julgamento do habeas corpus de Paulo Maluf vai decidir se um dos ministros do STF tem poder para cassar a decisão de outro. (PÁG. A3)

————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete : Preso, Lula perde votos; sem ele, Marina sobe e alcança Bolsonaro
Joaquim Barbosa (PSB) tem até 10% da preferência; Ciro Gomes (PDT) também se beneficia com ausência do petista
A prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva diminuiu o apoio do eleitorado ao petista e aumentou a desconfiança sobre a viabilidade de sua candidatura, mostra pesquisa do Datafolha. Levantamento encerrado na última sexta-feira (13) aponta Lula com 31% das intenções de voto no cenário em que ele tem o melhor desempenho. No fim de janeiro, ele alcançava até 37%.
0 Datafolha simulou nove cenários da disputa presidencial. Sem o petista, Jair Bolsonaro (PSL) e Marina Silva (Rede) dividem a liderança. Ele tem 17%, e ela oscila de 15% a 16%.
0 ex-ministro Ciro Gomes (PDT) registra 9%, empatado com o ex-governador de SP Geraldo Alckmin (PSDB), com até 8%, e Joaquim Barbosa (PSB), ex-presidente do STF, que tem de 9% a 10%. A margem de erro ê de dois pontos percentuais.
Cotados para substituir Lula, Fernando Haddad, ex-prefeito de São Paulo, e Jaques Wagner, ex-governador da Bahia, têm até 2%. Entre os que declaram voto em Lula, 66% dizem que apoiariam nome indicado por ele. Segundo o Datafolha, na ausência do petista, os maiores beneficiados seriam Marina e Ciro. (Poder A4)

‘Missão cumprida’, diz Trump depois de ataque à Síria
0 presidente dos EUA, Donald Trump, qualificou como “missão cumprida” a ofensiva aérea na noite de sexta, quando 150 mísseis foram disparados contra a Síria. A ação foi uma resposta a um ataque químico que matou ao menos 40 pessoas na semana passada e que os EUA atribuem ao governo do ditador Basharal-Assad.
Segundo o Pentágono, a investida atingiu o coração do programa de armas químicas do regime de Assad. 0 presidente Vladimir Putin, da Rússia, classificou a ação como “ato de agressão” contra um governo que luta contra o terrorismo.
A pedido de Moscou, o Conselho de Segurança da ONU se reuniu para discutir resolução condenando o ataque coordenado por EUA, Reino Unido e França. 0 documento foi rejeitado.
Assad, que nega uso de armas químicas, disse que “almas honradas não podem ser humilhadas”. (Mundo A14)

EUA e seus aliados nada fizeram para conter massacre
CLÓVIS R0SSI
A comunidade internacional assistiu passivamente à brutal destituição da Síria. No início da crise, uma intervenção até poderia ter levado à mudança de regime, como na Tunísia ou, num primeiro momento, no Egito. (Mundo A14)

Por que são tão altos os juros cobrados por bancos no Brasil? (Mercado A22)

Para maioria, prisão é justa; candidatura do petista divide opiniões (Poder A8)

M.Paulino e A.Janoni
Patamar de brancos e nulos é recorde a seis meses do pleito (Poder A9)

Bruno Boghossian
Joaquim Barbosa rouba eleitores de Alckmin na largada (OpiniãO A2)

As últimas horas do ex-presidente antes de se entregar à PF (Ilustríssima / Pág. 6)

Editorial
“A eleição sem Lula”, sobre resultados da nova pesquisa Datafolha, e “Governar no vermelho”, acerca de projeções orçamentárias até 2021. (Opinião A2)

————————————————————————————