Sindicato teme perda de até R$ 3 bi sem imposto
Entidades se preparam para mudança, que entrará em vigor em novembro
Os sindicalistas temem perder a maior parte da receita proveniente do imposto sindical, que deixa de ser obrigatório com a entrada em vigor da reforma trabalhista. A arrecadação com o imposto foi de cerca de R$ 2,9 bilhões no ano passado. A partir de novembro, o imposto sindical, que eqüivale a um dia de trabalho e ê descontado em folha, passa a ser voluntário.Segundo o economista José Dari Krein, da Unicamp, entre 25°/o e 30% da receita dos sindicatos ê obtida com esse repasse. A dependência ê maior no caso das centrais, que em alguns casos praticamente sobrevivem do imposto, uma vez que não contam com mensalidade de sócios. A CUT, maior central sindical do país, prevê orçamento 30% menor em 2018. A Força Sindical afirma que corre o risco de acabar sem essa fonte de renda. Ela e a UGT defendem uma contribuição assistencial de trabalhadores de toda categoria (e não só dos filiados).
As entidades pressionam o governo Temer a editar uma medida provisória que regulamente a questão. A taxa de sindicalização no Brasil gira em torno de 20%, segundo 0 IBGE…
————————————————————————–

O Globo

Manchete : Tuberculose avança no rastro de problemas sociais
Doença atinge taxas recordes em Manguinhos e no Jacarezinho
Até a violência ajuda a agravar a situação por causa da dificuldade de agentes entrarem em comunidades

A tuberculose avança no Rio no rastro de problemas sociais, como moradias precárias, falta de saneamento e de saúde de qualidade, informa Rafael Galdo. E até a violência agrava a situação. A cidade teve, no ano passado, 99 casos por 100 mil habitantes, taxa três vezes maior que a nacional. A situação piorou nos últimos anos.
Devido às péssimas condições de vida da população, Manguinhos e Jacarezinho já têm mais incidência de doentes do que a Rocinha, onde o problema ainda é grave. Moradores de rua estão entre a população de risco. (Pág. 12)

Juiz proíbe voto secreto sobre Aécio
Uma liminar impede que seja secreta a votação sobre o afastamento do senador Aécio Neves (PSDB-MG). A decisão do juiz Márcio Luiz Coelho, do DF, preocupa aliados do tucano, que contavam com o sigilo para evitar desgaste. (Pág. 5)

O segredo de Nova Friburgo
Cidade atravessou a recessão melhor que o Estado do Rio e já registra criação de empregos. Diversificação da economia e empreendedorismo ajudam. (Págs. 21 e 22)

Mão amiga brasileira
Policial da ONU no Sudão do Sul e socorrista do Médicos Sem Fronteira no Mediterrâneo ajudam refugiados atingidos por guerras na África. (Pág. 26)

Lauro Jardim
CVM só julgará irmãos Batista em 2018. (Pág. 2)

Ancelmo Gois
OAB-RJ pode suspender registro de Nuzman. (Pág. 14)

Miriam Leitão
País dos privilégios continua vivo. (Pág. 22)

Elio Gaspari
A falta de cuidado de patrulhas policiais e judiciárias. (Pág. 6)

Dorrit Harazim
China ocupa brechas deixadas por Trump no mundo. (Pág. 18)

Tropicália 50
O BRASIL QUE ECOOU
Em seus 50 anos, especial revisita movimento que teve Gil e Caetano como ícones. (Segundo Caderno)

————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete : Após dois anos de sufoco, baixa renda volta às compras
A movimentação nos shoppings populares e as vendas de produtos básicos vêm crescendo nos últimos meses
Após dois anos de aperto no orçamento, as famílias voltaram a ampliar o consumo, em especial as de menor renda, que sentiram mais os efeitos da recessão. A mudança, detectada nos últimos meses, reflete a melhoria do cenário econômico, com a volta do crescimento, o corte nos juros, a queda da inflação e a redução, ainda que modesta, do desemprego. Segundo uma pesquisa realizada pelo Ibope Inteligência e pela empresa Mais Fluxo, a movimentação de pessoas nos cerca de 500 shoppings do País aumentou 4,4% em setembro em relação ao mesmo mês de 2016, puxada pelos empreendimentos mais populares.
No varejo, as vendas de TVs básicas, de 32 polegadas, superaram as de modelos mais sofisticados nos primeiros sete meses do ano, de acordo com a GFK, que estuda o comportamento do consumidor. O mesmo ocorreu com tanquinhos em relação às lavadoras automáticas e smartphones. (Economia / Pág. B1)

Comida na mesa, dinheiro no bolso
O recuo nos preços dos alimentos, maior gasto na baixa renda, abriu espaço para a compra de outros produtos, segundo o economista Heron do Carmo, da USP. “Os R$ 20 a menos com alimentos são a prestação de um tanquinho”, diz. (Pág. B1)

Magistrado da italiana Mãos Limpas vêm ao País
Vinte e cinco anos após o início da Operação Mãos Limpas, a corrupção mudou na Itália, mas não diminuiu. Essa é a opinião de Piercamillo Davigo, presidente da seção criminal da Corte de Cassação (o supremo tribunal italiano), e Gherardo Colombo, ex-ministro da mesma corte. Eles falarão da experiência no Fórum Estadão Mãos Limpas e Lava Jato, dia 24. (Política / Pág. A8)

Contas públicas viram ‘isca’ para atrair investidor
Saída para o mar, estradas recapeadas, redução de impostos e contas no azul. Os cofres públicos menos problemáticos viraram iscas para atrair investidores a Estados e municípios. Levantamento da federação das indústrias do Rio aponta que Ceará e Espírito Santo estão entre os cinco Estados que fecharam 2016 em melhor situação. (Economia / Pág. B4)

Oposição tenta reagir em eleição na Venezuela
Cerca de 18 milhões de venezuelanos vão às urnas para escolher 23 governadores. Apesar da forte rejeição ao chavismo, a oposição está dividida e desgastada por causa do resultado pífio da onda de protestos no país. (Internacional / Pág. A9)

Justiça tira bebês de famílias ‘de risco’
A Vara da Infância e da Juventude de Belo Horizonte tem dois meses para explicar o encaminhamento compulsório para abrigos de 120 recém nascidos sob o argumento de estarem em “situação de risco”, relata Roberta Jansen. Em quatro anos, quase quintuplicou o número de bebês separados da mãe na maternidade. Para o juiz Marcos Flávio Lucas Padula, falam “como se os pais fossem sempre vítimas e não pudessem ser responsabilizados”. (Metrópole / Págs. A14 e A15)

Brasileiros fazem tour no Vale do Silício (Economia / Pág. B5)

Eliane Cantanhêde
Enquanto o STF não fizer sua parte na Lava Jato, as assombrações continuarão por aí. (Política / Pág. A6)

Vera Magalhães
As eleições serão uma espécie de marco a encerrar um período de transe constante. (Política / Pág. A8)

Notas & Informações
Interesse público e regras de ouro
Amais importante regra de ouro das contas públicas seria mobilizar um número suficiente de parlamentares capazes de pensar nos interesses básicos do País. (Pág. A3)

Comício judicial
Encontro patrocinado pela Anamatra virou comício contra a reforma trabalhista. (Pág. A3)

————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete : Sindicato teme perda de até R$ 3 bi sem imposto
Entidades se preparam para mudança, que entrará em vigor em novembro
Os sindicalistas temem perder a maior parte da receita proveniente do imposto sindical, que deixa de ser obrigatório com a entrada em vigor da reforma trabalhista. A arrecadação com o imposto foi de cerca de R$ 2,9 bilhões no ano passado. A partir de novembro, o imposto sindical, que eqüivale a um dia de trabalho e ê descontado em folha, passa a ser voluntário.Segundo o economista José Dari Krein, da Unicamp, entre 25°/o e 30% da receita dos sindicatos ê obtida com esse repasse. A dependência ê maior no caso das centrais, que em alguns casos praticamente sobrevivem do imposto, uma vez que não contam com mensalidade de sócios. A CUT, maior central sindical do país, prevê orçamento 30% menor em 2018. A Força Sindical afirma que corre o risco de acabar sem essa fonte de renda. Ela e a UGT defendem uma contribuição assistencial de trabalhadores de toda categoria (e não só dos filiados).
As entidades pressionam o governo Temer a editar uma medida provisória que regulamente a questão. A taxa de sindicalização no Brasil gira em torno de 20%, segundo 0 IBGE. (Mercado A15)

Oposição na Venezuela é favorita em pleito regional
Os venezuelanos votam neste domingo (15) para escolher 23 governadores. Hoje são 20 governistas, e a oposição ê favorita em atê 18 Estados, se não houver manipulação, como na escolha da Constituinte. Opositores temem fraude e ceticismo que leve à abstenção, informa a enviada especial Sylvia Colombo. (Mundo Al1)

Elio Gaspari
Patrulha presta grande serviço aos corruptos
Em 2007, vasculharam a casa do irmão de Lula. Ficou por isso mesmo. Dizem que um raio não cai duas vezes no mesmo lugar, mas caiu e houve busca na casa do filho do petista, onde haveria drogas. Não acharam nada. As patrulhas policiais e judiciárias prestam serviço ao pessoal que joga com as pretas. Para quem roubou, é o melhor dos mundos. (Poder A7)

Para governo, a divulgação de vídeos é ‘criminosa’
A defesa de Michel Temer classificou a divulgação dos vídeos do depoimento do doleiro Lúcio Funaro, obtidos por via oficial pela Folha, de “criminosa”. Segundo o Planalto, o propósito ê causar estardalhaço para constranger os deputados que votarão parecer sobre a denúncia contra o presidente. (Poder A5)

Baixo custo impulsiona inseminação feita em casa
A inseminação artificial caseira, feita a partir de contatos em redes sociais, se expande pelo país apesar de ser uma prática ilegal e sujeita a riscos à saúde. A prática ê atrativa por ser de baixo custo (R$ 3.000 por tentativa, contra atê R$ 20 mil em clínicas) e por possibilitar que os filhos gerados venham a conhecer os pais biológicos. (Cotidiano B1)

Editoriais
“Reforço à tropa”, em defesa da ampliação da Força Nacional de Segurança Pública, mais talhada que o Exército para operações emergenciais. (Opinião A2)

————————————————————————————