Após regra da bagagem, tarifa aérea dispara
Desde que as companhias aéreas passaram a vender passagens que não dão direito a despachar bagagem, o preço médio das tarifas aumentou. Entre junho e setembro, a alta foi de 35,9%, segundo a FGV. Com metodologia diferente, o IBGE aponta elevação de 16,9%…
(OS PARTIDOS NEGOCIAM O FICA DOS BANDIDOS E O STF e PGR VÃO TOMAR O CAFEZINHO DA TARDE OFERECIDO PELOS LOBISTAS POLÍTICOS QUE OS EMPREGARAM)
Salve-se quem puder
O Supremo, principal responsável pela guarda constitucional, converteu-se definitivamente em fator de grande insegurança jurídica…
Crítica ao ‘punitivismo’
Para Marco Aurélio Mello e Gilmar Mendes, ainda que o STF tenha decidido que são aplicáveis medidas cautelares contra parlamentares, a Corte deverá ficar inibida de impor medidas que interfiram no mandato.
—————————————————————–

O Globo

Manchete: PT recua e ameaça retorno de Aécio ao Senado
Tucano precisa de 41 votos para anular seu afastamento
Após decisão do STF, senadores decidem na terça-feira o futuro do presidente licenciado do PSDB
Embora o STF tenha decidido que a palavra final sobre medidas cautelares contra parlamentares é do Congresso, Aécio Neves perdeu o apoio formal do PT, que conta com nove dos 81 votos no plenário. Até o líder do PSDB, Cássio Cunha Lima, reconhece que o tucano enfrenta dificuldades para voltar ao Senado. Ontem, juristas avaliaram que a decisão da Corte não encerra de vez o choque entre poderes. Restam dúvidas sobre as medidas que precisam de aval do Parlamento, analisa o repórter ANDRÉ DE SOUZA. (Págs. 3 e 4)

Fé contra a corrupção
Um vídeo com uma mensagem do Papa Francisco, em que o Pontífice pede que os brasileiros não percam a esperança diante do egoísmo e da corrupção, emocionou a multidão que foi ontem ao Santuário de Nossa Senhora Aparecida para as celebrações pelos 300 anos da imagem da padroeira do Brasil. Políticos presentes foram vaiados. (Pág. 20)

Comandante de UPP é preso com armas e drogas
Corregedoria da PM prende comandante da UPP do Caju e outros três policiais suspeitos de desviarem drogas e armas para forjar flagrantes. Mais de 20 agentes são investigados. (Pág. 5)

MÍRIAM LEITÃO
Violência causa perda de R$ 362 bi em um ano. (Pág. 14)

Ancelmo Gois
Fux deve manter Cesare Battisti no Brasil. (Pág. 6)

————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete: Senado articula voto secreto para definição do caso Aécio
Saída está sendo discutida para diminuir desgaste dos senadores que querem reverter afastamento do tucano
Após a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), a cúpula do Senado intensificou articulação para definir o futuro de Aécio Neves (PSDB-MG) em votação secreta. O objetivo é diminuir o desgaste político para os que pretendem reverter o afastamento do senador tucano. A votação no plenário está marcada para terça-feira. Em decisão apertada, anteontem, os ministros do Supremo entenderam que medidas cautelares impostas a deputados e senadores devem ser submetidas à análise da Câmara e do Senado. Com nove inquéritos abertos no STF, Aécio foi afastado do mandato pelo Supremo e submetido a recolhimento domiciliar noturno com base na delação de executivos da JBS. O regimento interno do Senado prevê que a votação deve ser secreta em alguns casos, entre eles para deliberar sobre a prisão de um senador. A Constituição não diz que modelo deve ser adotado. Até 2001, o artigo 53 estabelecia que a votação deveria ser secreta, mas uma emenda suprimiu a exigência. (POLÍTICA / PÁGS. A4 a A6)

Crítica ao ‘punitivismo’
Para Marco Aurélio Mello e Gilmar Mendes, ainda que o STF tenha decidido que são aplicáveis medidas cautelares contra parlamentares, a Corte deverá ficar inibida de impor medidas que interfiram no mandato. (PÁG. A5)

Eliane Cantanhêde
Batata quente
Aécio Neves virou uma batata quente para o Judiciário e o Legislativo. Por ora, deixou de ser um problema imediato do Supremo para ser o principal problema do próprio Senado. (PÁG. A6)

Após regra da bagagem, tarifa aérea dispara
Desde que as companhias aéreas passaram a vender passagens que não dão direito a despachar bagagem, o preço médio das tarifas aumentou. Entre junho e setembro, a alta foi de 35,9%, segundo a FGV. Com metodologia diferente, o IBGE aponta elevação de 16,9%. (ECONOMIA / PÁG. B5)

Agência de risco faz alerta sobre Previdência (Economia / Pág B1)

Para fugir da crise, brasileiro busca Portugal
Cerca de 80 mil brasileiros vivem em Portugal com visto regular, segundo dado oficial. O número exclui os que têm passaporte europeu. Com mercado de trabalho pouco aquecido, o país atrai quem tem suporte financeiro e busca qualidade de vida e fugir da crise. (ECONOMIA / PÁG. B4)

EUA saem da Unesco
Donald Trump anunciou a retirada do país da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura sob a justificativa de que a instituição é muito “anti-Israel” e “pró-Palestina”. (PÁG. A9)

Sem licitação, empresários compram boxes no Mercadão
Um dos principais pontos turísticos da capital paulista, o Mercadão de São Paulo virou um local dominado por um grupo cada vez mais restrito de grandes comerciantes. Em negociações paralelas de compra e venda de boxes públicos – o valor pode chegar a R$ 1 milhão –, permissionários tradicionais expandiram seus negócios driblando a legislação em vigor, que exige licitação. O dono da Banca do Ramon, por exemplo, possui 6 empresas que operam 16 boxes. A gestão João Doria promete investigar. (METRÓPOLE / PÁG. A11)

Pedro Doria
Não vivemos tempos ordinários. Fomos sorteados, dizem os futuristas. (ECONOMIA / PÁG. B6)

Notas & Informações
Salve-se quem puder
O Supremo, principal responsável pela guarda constitucional, converteu-se definitivamente em fator de grande insegurança jurídica. (PÁG. A3)

Campeã nacional de confusões
É hora de a Oi arcar com as consequências de seu descalabro administrativo. (PÁG. A3)

————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete : Petrobras enfrenta ações para vender bens
Justiça e órgãos de concorrência afetam 40% dos negócios previstos
Impasses judiciais e entraves relativos à defesa da concorrência afetam mais de 40% do valor que a Petrobras já negociou em seu processo de venda de ativos, iniciado em 2015 para sanear a situação da empresa após a crise do petrolão. A estatal afirma, contudo, que mantém sua meta de levantar US$ 21 bilhões no mercado até o fim de 2018.
A empresa enfrenta processos na Justiça contra a alienação de dois campos do pré-sal e questionamentos referentes às vendas da distribuidora Liquigás e de empresas petroquímicas. As operações somam US$ 5,9 bilhões, 43% dos US$ 13,6 bilhões que a Petrobras negociou até o fim de 2016, ainda sob modelo que viria a ser questionado pelo Tribunal de Contas da União.
Com as novas regras implantadas em março, foram abertas negociações para a venda de 20 novos pacotes de ativos, nenhuma delas concluída até agora. A incerteza jurídica já afastou interessados de alguns negócios, e analistas afirmam que os problemas têm de ser resolvidos para que a meta proposta seja atingida. (Mercado A15)

Em mensagem, papa pede fé contra a corrupção no Brasil (Poder A6)

Sou honesto, mas não o mais preparado, afirma Bolsonaro (Poder A5)

EUA acusam Unesco de ser contra Israel e deixam órgão
Os EUA deixarão no fim do ano a Unesco, agência de educação e cultura da ONU. Segundo o governo Donald Trump, a entidade tem “viés anti-Israel”. Washington continuará a integrá-la apenas como Estado observador.
O governo israelense elogiou a decisão e declarou que também sairá da Unesco. A entidade lamentou a decisão, que não ê inédita: os EUA já haviam saído em 1984, voltando em 2003. (Mundo A10)

Reinaldo Azevedo
Que o Brasil sobreviva à direita canalha!
Decidiu o STF que a Justiça pode aplicar a parlamentares as medidas cautelares do Código Penal, mas o que afeta o mandato deve sei submetido à Casa Legislativa do punido. Das aberrações, a menor. A direita dos humores pegajosos queria mais inconstitucionalidade. Que o Brasil sobreviva ao patriotismo dos canalhas! (Poder A8)

Editoriais
“A vez do Senado”, sobre julgamento do STF referente à punição de políticos, e “Mudança no esporte”, acerca de vícios das entidades do setor. (Opinião A2)

————————————————————————————